14.7 C
Ouro Branco

Quase 22 mil pessoas presas irregularmente são liberadas após mutirão do CNJ

Anúncios

Um mutirão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) analisou prisões em todo país e colocou em liberdade, entre julho e agosto, quase 22 mil pessoas presas de forma irregular. As informações constam de balanço divulgado pelo órgão nesta terça-feira (26).

Segundo o CNJ, no período da ação, 27.010 presos tiveram sua situação modificada, alterando o modelo de prisão, por exemplo. Desse total, 21.866 foram colocados em liberdade.

O levantamento do órgão aponta que os beneficiados com a saída da prisão já haviam cumprido o tempo de pena ou estavam em regime prisional mais grave do que deveriam.

Mais de 100 mil processos avaliados
O mutirão realizado pelo CNJ mobilizou organismos do sistema de Justiça entre julho e agosto. No total, magistrados de todo país avaliaram mais de 100 mil processos – mais de 70 mil foram efetivamente revisados.

De acordo com os dados divulgados pelo conselho, foram reavaliados processos:

  • de gestantes, mães, pais e responsáveis por crianças menores de 12 anos e pessoas com deficiência;
  • de pessoas em cumprimento de pena em regime prisional mais gravoso do que o fixado na decisão condenatória;
  • de prisões provisórias com duração superior a 12 meses e
  • de pessoas cumprindo pena em regime diverso do aberto, condenadas pela prática de tráfico privilegiado.
  • De acordo com dados do CNJ, em 61,7% dos processos efetivamente revisados não houve alteração.

Mais artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimos artigos