12.1 C
Ouro Branco

Zanin diz no STF que linguagem neutra destoa das normas do português

Anúncios

O ministro Cristiano Zanin, do Supremo Tribunal Federal, afirmou que a linguagem neutra não está de acordo com as normas da língua portuguesa. O entendimento foi apresentado durante um julgamento sobre leis municipais que proíbem o uso de pronomes neutros.

A análise do tema ocorre no plenário virtual do STF. A maioria dos ministros já votou por chancelar uma liminar assinada por Alexandre de Moraes, relator do caso, que suspende essas leis. O julgamento termina às 23h59 desta segunda-feira 10.

O uso da linguagem neutra é uma bandeira de pessoas agênero, que não se identificam com qualquer gênero, e não binárias, que não se identificam apenas com o gênero masculino ou o feminino.

Embora tenha se manifestado por anular as leis municipais, sob o argumento de que cabe à União definir as diretrizes sobre educação, Zanin acrescentou ao voto sua avaliação sobre a aplicação dos pronomes neutros no idioma oficial do Brasil.

“Não é possível admitir, em princípio, que os municípios editem leis que interfiram nas diretrizes e nas bases da educação, no ensino, tampouco nos currículos, materiais didáticos e nos modos de exercício da atividade docente, cuja matéria exige um tratamento uniforme em todo o país”, escreveu.

Por outro lado, o magistrado afirmou que a língua portuguesa é o idioma oficial do País e que, por isso, não seria possível adotar, em material didático e em documentos oficiais de instituições de ensino, “o uso de linguagem que destoe das normas da língua portuguesa, como é o caso da linguagem neutra”.

“É certo que a língua é viva e dinâmica, sendo habitual que sofra mutações ao longo do tempo e conforme os costumes. Contudo, é preciso respeitar o corpo normativo vigente ao menos em documentos educacionais e oficiais de instituições de ensino.”

Segundo ele, o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990 e o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa não contemplam a modalidade neutra de linguagem. Logo, sua aplicação em material didático e documentos oficiais de instituições de ensino seria inadequada.

Em fevereiro de 2023, a Corte já havia declarado inconstitucional, por unanimidade, uma lei de Rondônia que proibia o uso de linguagem neutra em instituições de ensino e editais de concursos públicos.

Na ocasião, os ministros argumentaram que a legislação violava a competência legislativa da União para editar normas gerais sobre diretrizes e bases da educação, sem analisar se a linguagem neutra fere ou não a Constituição. Desta vez, o Supremo analisa leis editadas em Águas de Lindóia (GO) e Ibirité (MG).

A Aliança Nacional LGBTI+ e a Associação Brasileira de Famílias Homotransafetivas argumentaram ao STF que as legislações municipais funcionam de maneira coercitiva contra a evolução da linguagem, principalmente do ponto de vista do combate aos preconceitos linguísticos.

Mais artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimos artigos