12.8 C
Ouro Branco

‘Rejeição de Natália em Natal é realidade’, diz Motta

Anúncios

Pré-candidato a prefeito de Natal, o ex-deputado federal Rafael Motta (Avante) afirmou que a rejeição a também pré-candidata Natália Bonavides (PT) “é uma realidade” e que, segundo ele, “é algo que qualquer pessoa entende lendo as pesquisas”. O ex-parlamentar apontou que em todos os levantamentos realizados até agora a petista tem liderado no índice de rejeição.

“Pesquisa é um retrato momentâneo, mas existe uma rejeição e se colocar todas as pesquisas quem lidera esses números de rejeição é a pré-candidata Natália Bonavides”, avaliou Rafael Motta, que rebateu criticas por outros posicionamentos nesse sentido: “Se não quiserem levar pra outro tipo de leitura, e porque não aceitam esse tipo de comentário”.

Motta abriu a série entrevistas do Jornal da Manhã, da Jovem Pan News Natal, com os pré-candidatos que pretendem disputar a Prefeitura de Natal nas eleições deste ano e lembrou o fato de Natália ter votado em Carlos Eduardo para senador nas eleições de 2022. “Isso mostra que quem vai administrar é o partido e não a pessoa eleita”, disse. E assegurou: “não faço política tradicional. Estou para trazer ideias e propostas para a população”.

Motta confirmou, ainda, que chegou a conversar com Carlos Eduardo, mas o diálogo não avançou porque “eu disse que queria ser o candidato”. Quanto a deputada do PT, disse que o diálogo foi para um entendimento com ela. “Uma conversa para me acalmar e para ficar ‘preso’ ao PSB [legenda que ele presidiu recentemente]”, disse.

O ex-deputado também revelou que o “PSB fez uma negociata nacional onde se trocaria cidades por cidades” e citou o caso de Curitiba e Natal. “Não sou obrigado a seguir algo nacional que eu não acredite”, destacou.

Na opinião de Motta, a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann foi “deselegante” ao cumprir agenda no Rio Grande do Norte e não ter chamado o “PSB para conversar”. “Percebi que seria emparedado [para apoiar Natália Bonavides]. Isso foi uma comunicação foi nas entrelinhas”, disse.

O pré-candidato do Avante avisou que continua alinhado com a pauta do presidente Lula, mesmo depois de ter deixado o PSB, mas admite que tem “ posturas econômicas mas voltadas ao centro, mais liberais de certa forma, como a privatização do que não está funcionando, mas sou contra a privatização de áreas estratégicas, como energia, que é estratégica para qualquer país”.

Rafael Motta disse que, caso seja eleito, tem o compromisso de concluir obras que estão em andamento como a engorda na praia de Ponta Negra e a construção do hospital municipal de Natal. “A prioridade é concluir o que está em construção”, pontuou. O ex-parlamentar lembrou que fez parte da Frente Parlamentar de Obras Inacabadas e foi autor de uma lei municipal para proibir inauguração de obras inacabadas, “justamente por esses pleitos eleitorais terem uma certa massificação”.

Segundo Motta, sua prioridade “é acabar o que está em construção, não é porque se está na oposição ou situação que não deve tocar aquela obra. Primeiro é zerar a pauta de obras.

Na opinião dele, o Plano Diretor de Natal é um “plano que agrada” e recordou que o documento ficou quase “20 anos parado”. Para Motta, o Plano tem proporcionado avanços a Natal.

Rafael Motta não se coloca como candidato de oposição e nem deverá sair em defesa da gestão do prefeito Álvaro Dias (Republicanos), de quem foi secretários municipal de Esportes há três meses.

Mais artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimos artigos