Fugitivos de Penitenciária Federal de Mossoró foram abandonados por rede de proteção do crime organizado, dizem investigadores

Os fugitivos estariam com dificuldade para sair da área onde estão sendo feitas as buscas perto da cidade de Baraúna. Um deles pode estar machucado e mancando, segundo a investigação. Os dois fugitivos da Penitenciária Federal de Mossoró foram “abandonados” pela rede de proteção do crime organizado, segundo investigadores. Segundo o monitoramento da força-tarefa que realiza as buscas no Rio Grande do Norte, os dois estão sem apoio há uma semana.

Deibson Nascimento e Rogério Mendonça fugiram da penitenciária de segurança máxima no dia 14 de fevereiro. Foi a primeira fuga registrada no sistema prisional federal, criado em 2006. A força-tarefa entrou nesta sexta-feira (1º) no 17º dia de buscas pela dupla. Os dois homens vistos por agricultores em uma plantação na área rural da cidade de Baraúna na tarde de quinta-feira (29).

Os fugitivos estariam com dificuldade para sair da área onde estão sendo feitas as buscas, que se concentra em raio mais fechado perto de Baraúna, e estariam perdidos. Em vez de estarem caminhando rumo à divisa com o Ceará, eles teriam voltado para uma área mais perto da cidade e do presídio de Mossoró.

Os investigadores afirmam que as prisões e apreensões recentes de pessoas suspeitas em colaborar com os fugitivos prejudicaram a estratégia do crime organizado de auxiliar os dois a deixarem o estado. Após a fuga, eles receberam ajuda e, até o momento, pelo menos cinco pessoas foram presas suspeitas de terem auxiliado os presos a se esconderem e se locomoverem pela região.

Operação fez cerco em área de plantação na zona rural de Baraúna para recapturar fugitivos da Penitenciária Federal de Mossoró

Ainda, Deibson e Rogério não estariam mais com nenhum aparelho celular e que um deles estaria machucado e mancando, segundo informações de testemunha que foi ouvida pelos policiais na quinta (29).

As buscas seguem no 17º dia, mas a dificuldade aumenta por conta das fortes chuvas que atingem a região.

As buscas entraram no 17º dia nesta sexta-feira e se concentraram desde o início nas áreas rurais entre as cidades de Mossoró e Baraúna, que são ligadas pela RN-015, onde fica o presídio.

Os investigadores confiam desde o início da fuga que os foragidos permanecem pela região, fato que tem sido reforçado por pistas deixadas ao longo dos dias, como a invasão a casas e o esconderijo encontrado (veja a cronologia da fuga).

A operação conta com helicópteros, drones, cães farejadores e outros equipamentos tecnológicos sofisticados, além de mais de 600 homens das forças de segurança da Força Nacional, estadual e federal – incluindo equipes de elite da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Descubra mais sobre Portal Ouro Branco Notícias

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading