14.7 C
Ouro Branco

Cinco membros de grupo de extermínio são condenados por matar homem e tentar assassinar a esposa que presenciou o crime

Anúncios

A Justiça do Rio Grande do Norte (MPRN) condenou mais cinco homens acusados de integrarem um grupo de extermínio que atuava em Ceará-Mirim e região. Adilson Lima da Cruz, Francisco Kytayama Varela da Cunha e outros dois homens que colaboraram com as investigações foram condenados pelo assassinato de Daniel Jerônimo Fernandes e pela tentativa de homicídio da companheira dele, Simone Duarte Ferreira de França, que estava grávida de seis meses. Já Ivan Carlos de Souza, foi condenado pelo homicídio consumado contra Daniel. Os crimes foram cometidos na madrugada de 11 de setembro de 2017, na zona rural de Ielmo Marinho.

Adilson Lima da Cruz e Francisco Kytayama Varela da Cunha foram condenados a 46 anos, seis meses e oito dias de reclusão cada. Ivan Carlos de Souza recebeu pena de 21 anos, 11 meses e 26 dias de prisão. Os dois homens que decidiram colaborar com as investigações foram condenados a 18 anos, um mês e 14 dias de reclusão cada. Todos os cinco condenados pelos crimes de homicídio, tentativa de assassinato e ainda por constituição de milícia. Eles irão cumprir suas penas em regime fechado.

O crime

De acordo com a denúncia do MPRN, os criminosos chegaram à casa de Daniel Fernandes na madrugada de 11 de setembro e 2017 e arrombaram a porta da frente Todos entraram e deram ordem para que a vítima levantasse as mãos. Daniel não obedeceu a ordem e pegou uma arma de fogo que estava em cima do guarda-roupa, momento em que iniciou-se uma troca de tiros. Daniel foi atingido por vários disparos e morreu no local.

Ainda de acordo com o que foi apurado nas investigações, o grupo tentou matar Simone Duarte Ferreira de França somente pelo fato de ser testemunha ocular do assassinato do companheiro. Ela foi atingida por um tiro no braço direito. Mesmo assim, conseguiu fugir e se esconder em casa vizinha.

Quarta condenação

Esse foi o quarto júri popular envolvendo integrantes de uma organização criminosa acusada de promover dezenas de assassinatos em Ceará-Mirim e região. Em maio passado, o MPRN obteve a condenação de Creginaldo Costa Cunha Santos à pena de 20 anos e 8 meses de prisão e de outro acusado, que foi condenado a 19 anos e 4 meses de reclusão. Os dois foram condenados pela morte de Pedro Henrique da Silva, crime cometido em 21 de fevereiro de 2017.

Já em junho, também deste ano, o MPRN obteve a condenação de Adilson Lima da Cruz a 23 anos e 4 meses de reclusão e a de Francisco Kytayama Varela da Cunha a 21 anos e 4 meses de reclusão. O homem que colaborou com a delação premiada foi condenado a 8 anos, 3 meses e 6 dias de reclusão.

No começo deste mês de setembro, também em júri popular, Adilson Lima da Cruz foi sentenciado a 27 anos e 6 meses de reclusão, além de 10 dias-multa; Francisco Kytayama Varela da Cunha recebeu pena de 24 anos e 10 meses de prisão, além de 10 dias-multa; José Carlos da Silva Oliveira foi condenado a 20 anos e 8 meses de reclusão; Ramon Glaucio Leocadio recebeu a pena de 18 anos de reclusão; e Paulo Eduardo Germano de Oliveira foi condenado a 12 anos de reclusão.

Um outro condenado firmou acordo de colaboração premiada com o MPRN e recebeu pena de 8 anos, 6 meses e 12 dias de reclusão. Eles foram condenados pelo assassinato de Ricardo Laurindo da Silva, em 11 de maio de 2017, crime cometido na rua Assis Venâncio, Vale do Amanhecer “Baixa do Rato”, em Ceará-Mirim.

Mais artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimos artigos