24 C
Ouro Branco

Ruralistas criticam ausência de Flávio em votação do Marco Temporal

Anúncios

Lideranças ruralistas não ficaram nada satisfeitas com a ausência de alguns senadores bolsonaristas na votação do projeto de lei do Marco Temporal, na noite de quarta-feira (26/9), no plenário do Senado.

A proposta foi aprovada por 43 votos a 21, como uma resposta do Congresso Nacional ao STF, que, na semana passada, havia declarado o marco temporal como inconstitucional.

A ausência mais criticada por ruralistas foi a do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ). Filho 01 de Jair Bolsonaro, Flávio estava em um evento sobre turismo no Rio, no qual chegou a posar ao lado de integrantes do governo Lula.

Outro senador bolsonarista ausente na votação foi o Astronauta Marcos Pontes (PL-SP). Ex-ministro de Bolsonaro, o parlamentar está em viagem a Roma, onde se encontrará com papa Francisco.

Já o senador Romário (RJ), que também é do PL, estava presente na sessão, mas desagradou bolsonaristas por seu voto contra o marco temporal. Romário se juntou à bancada governista para derrubar o projeto.

Não sei exatamente o motivo (da ausência), mas ontem a prioridade do Brasil era o Congresso dar essa reposta à inteferência de poderes. O próprio STF acabou com o texto da Constitucição Federal. A ausência de qualquer senador não é bom para o futuro político de nenhum deles”, afirmou à coluna o presidente da União Democrática Ruralista (UDR), Nabhan Garcia.

Ex-secretário do governo Bolsonaro, Nabhan afirmou ainda que a sobrevivência de qualquer político na política depende muito de seus atos e daquilo que ele mostra à sociedade”.

“Já foi o tempo do chamado eleitor ausente. Lamentável, mas isso só o futuro dará a sua resposta adequada”, disse o presidente da União Democrática Ruralista.

Entenda o Marco Temporal

O Marco Temporal estabelece que apenas as terras indígenas ocupadas até 5 de outubro de 1988, dia da promulgação da Constituição, poderiam ser demarcadas daqui para frente.

O STF, entretanto, rejeitou a tese e determinou que a promulgação da Constituição não pode ser usada como base temporal para demarcação de terras indígenas no Brasil.

Diante da decisão do Supremo, o Senado votou um projeto de lei que retoma a interpretação original. Como a proposta já havia sido aprovada pela Câmara, ela seguiu para sanção ou veto do presidente Lula.

Mais artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimos artigos