25.1 C
Ouro Branco

RN quer empréstimo de R$ 1,6 bilhão após firmar Plano de Equilíbrio Fiscal

Anúncios

O Rio Grande do Norte está negociando a adesão do Estado ao Plano de Promoção de Equilíbrio Fiscal (PEF) do Governo Federal, que poderá proporcionar acesso a cerca de R$ 1,6 bilhão junto a instituições financeiras, sendo que R$ 400 milhões ainda esse ano. A intenção do Governo do Estado é usar essa primeira cota na recuperação de estradas.

“É um programa que permite estados como o nosso terem acesso a uma linha de financiamento que pode chegar até 1,6 bi, dividido em quatro parcelas, sendo uma por ano. O PEF está ligado ao compromisso do Estado de melhorar os seus indicadores fiscais”, diz o secretário da Fazenda do Rio Grande do Norte, Carlos Eduardo Xavier.

A condicionante de melhoria dos indicadores fiscais do Estado, como explicou o secretário, implica em um grande desafio ao Rio Grande do Norte. Para atingir os requisitos necessários e garantir o acesso à linha de crédito, o governo estadual precisa “reduzir gastos com pessoal” durante o período em que fizer parte do Plano de Promoção de Equilíbrio Fiscal (PEF), que é gerido pela Secretaria do Tesouro Nacional. Caso a exigência não seja cumprida, o acesso ao crédito nas demais parcelas não será permitido.

“Esse primeiro recurso de 2023, após aderir ao PEF, é de de utilizar esses 400 milhões na recuperação da nossa malha viária”, conta Carlos Xavier anunciando o destino dos primeiros milhões que vierem por meio do Plano. “A gente reconhece a situação das estradas, a governadora reconhece e tem isso como prioridade. Então essa primeira parcela será toda utilizada para isso”, completa o secretário estadual.

O secretário da Fazenda do RN explica ainda outra condição ligada ao PEF

“Essa questão do PEF está intimamente ligada com outra pauta que é extremamente importante para o governo ao longo desses próximos quatro anos, que é a reposição do quadro de servidores. A Secretaria de Administração, por meio do secretário Pedro Lopes, está tratando com o Ministério Público de Contas do Tribunal de Contas do Estado (TCE) uma formalização de um termo de ajuste de gestão que vai possibilitar a gente fazer essa reposição dos servidores nas secretarias, mas com compromisso ao longo do tempo de redução percentual de gasto com o pessoal”, conta Carlos Eduardo Xavier.

“Se a gente cumprir fielmente à risca o que estamos planejando e se propondo, a gente tem condições de recuperar isso em um tempo menor do que quatro anos. Talvez em 2024 ou 2025 a gente já tenha uma situação do Estado poder investir sem necessidade de financiamentos externos”.

A adesão ainda não está consolidada, mas a expectativa do governo é de alcançar todas as condicionantes, concluir o processo e contratar o financiamento com garantia da União ainda neste ano de 2023 para ter acesso à primeira tranche (fatia) dos recursos no valor de R$ 400 milhões para já iniciar as recuperações das estradas, que são vistas como urgentes pelo governo.

Mais artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimos artigos