14.8 C
Ouro Branco

Reforma tributária e correção do déficit primário estão sendo revistos, diz Haddad

Anúncios

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse nesse sábado (2) que sua equipe está revendo duas medidas fiscais: a reforma tributária e a correção do déficit primário.

Em apresentação no evento Expert XP, em São Paulo, Haddad detalhou que a reforma tributária tem que ser neutra para avançar no Congresso Nacional e afirmou que corrigirá o déficit primário, revendo o sistema tributário do país.

Segundo o ministro, o Congresso contribui com as pautas econômicas. “Com exceção da reforma tributária, tudo foi aprovado no primeiro semestre”, declarou.

De acordo com ele, o compromisso do governo federal tem que ser com o reequilíbrio das contas. “Estamos desde 2014 com déficit primário e temos que virar essa página.”

Ainda em seu discurso, Haddad falou sobre o novo marco fiscal e afirmou que um dos méritos da nova âncora é que ela tem uma “canaleta para correr”.

Sinalização ao BC

A taxa básica de juros também foi abordada pelo ministro da Fazenda. O Banco Central reduziu a Selic pela primeira vez em três anos no início de agosto, com corte de 0,50 ponto percentual, a 13,25%.

“Todo esforço fiscal que o governo fizer vai ser bom e pode sinalizar ao BC que é hora de cortar os juros não em meio porcento, mas em 0,75 ponto porcentual.”

Ele ressaltou que o objetivo do governo é apontar para resultados primários mais consistentes, apostando que a autoridade monetária vai se somar a esse esforço — se referindo à queda dos juros.

“Com taxa real de 10%, vamos crescer 3%. Não tem livro que explique o fenômeno que acontece na economia brasileira”, acrescentou.

Haddad disse que os juros poderiam ter sido cortados em duas reuniões anteriores, realizadas em maio e junho, mas acrescentou que seu ministério e o BC trabalham “sob um ponto de vista em comum” e que novas reduções já estão contratadas.

“Eu olho muito para atividade, arrecadação, FPM [Fundo de Participação dos Municípios], FPE [Fundo de Participação dos Estados]. Se eu não tiver fiscal, não adianta a inflação estar baixa.  Ela vai voltar”, disse. “É preciso imaginar uma trajetória sustentável”.

Mais artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimos artigos