15.8 C
Ouro Branco

Putin se esforça para reafirmar controle após rebelião do Grupo Wagner

Anúncios

Por dois dias depois que o chefe do Grupo Wagner, Yevgeny Prigozhin, cancelou seu motim, o presidente russo, Vladimir Putin, não disse nada em público. Tendo enfrentado o maior desafio à sua autoridade em 23 anos, e quase testemunhado a entrada de seu país em uma guerra civil, muitos esperavam que o presidente respondesse com firmeza e fúria.

Em vez disso, o silêncio foi quebrado primeiro por seu adversário. Em uma mensagem de áudio de 11 minutos postada em seu canal Telegram, Prigozhin afirmou ter apenas encenado um protesto, em vez de um golpe, tentando “levar à justiça” o alto escalão militar da Rússia por seus “erros durante a operação militar especial”.

Quando Putin finalmente se dirigiu à nação novamente na segunda-feira (26), ele foi notavelmente clemente. Na última vez em que foi visto no sábado, ele disse à nação que o motim de Prigozhin foi “uma punhalada nas costas de nosso país e de nosso povo” e prometeu responsabilizar os insurgentes.

Agora, ele agradeceu aos insurgentes por tomarem a “decisão certa” ao deter avanço e ofereceu-lhes contratos para se juntarem à força do Ministério da Defesa russo. Ele também afirmou que a “rebelião armada teria sido reprimida de qualquer maneira”, sem especificar como.

Para um líder conhecido por apresentar grandes teses históricas em tratados de uma hora, o discurso de segunda-feira foi conciso, durando apenas alguns minutos – e deixando mais perguntas do que respostas.

Por que Prigozhin foi autorizado a fugir para Belarus? Por que os insurgentes não foram punidos? E como Putin tenta reafirmar sua autoridade?

Primeiro pacifique, depois puna

Em bizarras e caóticas 36 horas, Prigozhin dirigiu mais de 1280 quilômetros da fronteira da Ucrânia em direção a Moscou, capturou um comando militar regional, invadiu uma grande cidade e alegou ter derrubado um helicóptero militar.

Muitos esperavam que a resposta de Putin fosse rápida e brutal. Ele disse em seu discurso de sábado que a “traição” de Wagner foi uma “traição” de seu país.

“Putin valoriza a lealdade acima de tudo”, disse Dmitri Alperovitch, membro do Conselho Consultivo de Segurança Interna, à CNN. “Você pode roubar sob ele, pode matar, pode ser um criminoso. Mas a única coisa que você não pode ser é desleal.”

Diante disso, a aparente relutância de Putin em punir os insurgentes parecia intrigante.

Mas, de acordo com Kirill Shamiev, membro do Conselho Europeu de Relações Exteriores, a primeira prioridade de Putin será “desmilitarizar, desarmar e desmobilizar o Grupo de Wagner”, antes de aplicar qualquer possível punição.

“No nível tático, é importante pacificar um pouco, acalmar, dar alguma esperança e benefícios aos mercenários comuns de Wagner e ao comando sênior, reduzir seus incentivos para agir”, disse Shamiev à CNN.

Putin está atualmente envolvido em um ato de equilíbrio. Seu instinto pode ter sido responder rapidamente, demonstrar que o motim não será tolerado e projetar uma imagem de força. Mas se for rápido demais, corre o risco de provocar outra rebelião – e dar a impressão de pânico.

“Se você reagir muito rapidamente, pode mostrar às elites que está com medo”, disse Shamiev. Paradoxalmente, adotar a abordagem do “homem forte” pode revelar fraqueza.

Prigozhin deve ser um exemplo, de acordo com Shamiev, mas é uma questão cuidadosa de timing. A guerra na Ucrânia está entrando em uma fase incerta: a contraofensiva de Kiev pode ter começado de um jeito falho, mas a unidade e o moral das forças russas estão sendo questionados desde o caos do fim de semana passado.

Se o Kremlin tivesse de alguma forma despachado Prigozhin imediatamente e as forças da Rússia desmoronassem na Ucrânia, as críticas do chefe de Wagner poderiam simplesmente ter se mostrado corretas.

“Seria como, ‘Oh, Prigozhin estava certo, na verdade. Ele estava certo sobre os militares, ele estava certo sobre como os generais são despreparados e incultos… e agora eles o mataram. É uma má aparência para o Kremlin”, disse Shamiev.

Uma imagem de calma

Portanto, a resposta um tanto moderada de Putin pode ser prudente. Ele estava mais visível na terça-feira, ao agradecer aos agentes de segurança por seu aparente papel em reprimir o motim. “Vocês pararam uma guerra civil”, disse ele a autoridades em um endereço no Kremlin.

“Em uma situação difícil, vocês agiram com clareza e de maneira bem coordenada, provaram por meio de ações sua lealdade ao povo da Rússia e ao juramento militar e mostraram responsabilidade pelo destino da Pátria e seu futuro”, disse ele.

O Serviço Federal de Segurança da Rússia (FSB) também disse na terça-feira que está desistindo do caso contra o Grupo Wagner, já que “seus participantes interromperam suas ações diretamente destinadas a cometer um crime”, segundo a mídia estatal RIA Novosti.

O presidente belarusso, Alexander Lukashenko, também quebrou seu silêncio na terça-feira, confirmando que Prigozhin viajou para Belarus, sob os termos de um “acordo” que Lukashenko negociou com ele, permitindo que ele deixasse a Rússia sem enfrentar acusações criminais.

Lukashenko afirmou que disse a Prigozhin que seria “esmagado como um inseto” se continuasse seu avanço em direção a Moscou e o persuadiu a encerrar a rebelião. Mas, embora tenha revelado alguns detalhes das negociações de sábado, Lukashenko disse pouco sobre o futuro de Prigozhin.

Falta de apoio público

Durante uma crise, a visibilidade é importante. Agora que a poeira baixou após um fim de semana caótico, Putin está tentando projetar uma imagem de controle. Mas ele não conseguiu recorrer a outro método para reafirmar o controle que outros líderes usaram depois de enfrentar desafios semelhantes à sua autoridade: mobilizar apoio político.

Quando o presidente turco Recep Tayyip Erdogan enfrentou uma tentativa de golpe em 2016, sua resposta foi rápida e intransigente. Milhares foram presos em poucos dias. Ele anunciou publicamente que estava considerando restabelecer a pena de morte.

Mesmo um ano depois, sua fúria era palpável. “Vamos decapitar esses traidores”, disse ele.

Durante toda a crise, Erdogan quase não saiu do ar. Ele compareceu aos funerais dos mortos no motim. Ele reuniu manifestantes em seu apoio, organizando manifestações pró-governo em massa nas principais cidades.

Tais pontos turísticos estão ausentes na Rússia. As únicas demonstrações públicas de apoio foram para Prigozhin. Quando ele foi expulso de Rostov-on-Don na noite de sábado, as pessoas fizeram fila nas ruas para torcer por ele, como torcedores esperando do lado de fora de um estádio para dar uma olhada em seu astro do esporte favorito.

“O poder do Kremlin depende fortemente da despolitização da maioria da população russa. Despolitização voluntária e independente – para que as pessoas não saiam sozinhas para as ruas”, disse Shamiev.

Por causa dessa tática há muito cultivada, Putin não pode esperar que milhões de cidadãos russos se unam em sua defesa, como no caso de Erdogan.

Por enquanto, é uma questão de esperar o momento certo antes de decidir como e quando punir Prigozhin.

Mas, durante esse atraso, as dúvidas podem crescer na Rússia. “Se ele não for preso, se não for morto por Putin, isso enviará a todos um sinal de que Putin é mais fraco do que pensavam, e você pode se safar de muita coisa”, disse Alperovitch.

“Não há dúvida de que seu poder agora está enfraquecido. Não há dúvida de que muitas pessoas em todo o país – as elites, vários governadores, várias pessoas nos serviços de segurança – provavelmente estão se perguntando: se Prigozhin pode realmente se safar disso, desafiando o poder do estado como este, o que eu posso fazer?”

Mais artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimos artigos