15.4 C
Ouro Branco

PF diz que Abin tornou espionagem ilegal em “brinquedo de criança”

Anúncios

Nos documentos que embasam a operação sobre a espionagem ilegal na Agência Brasileira de Inteligência (Abin) durante o governo passado, então chefiada pelo atual deputado federal Alexandre Ramagem, os investigadores da Polícia Federal (PF) chegam a ironizar a forma descontrolada como invasões ilegais eram feitas em celulares de desafetos.

“Não se pode qualificar a solução tecnológica First Mile, adquirida por R$ 5 milhões, como mero brinquedo de criança”, escrevem os policiais, citando o nome do software que operava na rede de telefonia brasileira. “Ainda mais quando a ferramenta foi utilizada para monitorar sujeitos sem qualquer pertinência com as atribuições institucionais da ABIN”, afirmam.

A indireta presente na representação da PF tem destino certo. Há a suspeita de que os filhos de Bolsonaro eram os donos de diversas das encomendas de investigações clandestinas.

Na decisão, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirma que a Abin, durante a gestão Bolsonaro, “teria instrumentalizado a mais alta agência de inteligência brasileira para fins ilícitos de monitoramento de alvos de interesse político, bem como de autoridades públicas, sem a necessária autorização judicial.”

Na operação, também foi descoberto que a estrutura estatal foi usada para atacar o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), “com construção de narrativas que, em regra, são substanciadas em documentos apócrifos estabelece o modus operandi da organização criminosa.”

Outra utilização ilegal dos serviços, diz a PF, foi uma ação de contrainteligência para interferir em diversas investigações da PF, como, por exemplo, “para tentar fazer prova a favor de Renan Bolsonaro”, filho do então presidente, investigado pela Superintendência da PF no Distrito Federal, por tráfico de influência.

Mais artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimos artigos