17.6 C
Ouro Branco

MPF denuncia dois empresários por esquema na licitação de refeições do IFRN 

Anúncios

Envolvidos utilizaram três empresas – dos quais são sócios – para derrotar concorrentes e vencer o pregão. Empresários utilizaram dados a partir de um mesmo computador na licitação, em 2015.

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou dois empresários por fraudarem uma licitação destinada à compra de refeições para o campus de Santa Cruz do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do RN (IFRN). O fato ocorreu em 2015.

De acordo com a denúncia do órgão, os empresários fizeram uso de três empresas para, conjuntamente, derrotar outros concorrentes no pregão.

A fraude é conhecida como “coelho” e consiste em manter uma das empresas baixando seguidamente os preços (o “coelho”) de forma a tornar inviável a participação de outras concorrentes não envolvidas no esquema. Quando as demais empresas desistem, a empresa “coelho” abre mão do contrato em prol de uma empresa “parceira”, que manteve um lance alto.

O MPF constatou durante as investigações que as três empresas dos quais os dois empresários são sócios fazem parte de um mesmo grupo e a cúpula diretora se situa na sede de uma delas, em Natal.

A Justiça Federal no Rio Grande do Norte recebeu a denúncia feita pelo MPF, após decisão favorável do Tribunal Regional Federal da 5º Região (TRF5).

Os empresários foram denunciados pelo artigo 90 da Lei n.º 8.666/93. A pena prevista, em caso de condenação, é detenção de dois a quatro anos, além de multa.

Fraude

O pregão do IFRN de Santa Cruz aconteceu no dia 10 de abril de 2015. De acordo com a denúncia do MPF, de autoria do procurador da República Ronaldo Sérgio Chaves Fernandes, as três empresas atuaram juntas e realizaram lances do mesmo endereço eletrônico. Em alguns casos, com diferença de poucos segundos, aponta a denúncia.

Durante o pregão, uma das empresas apresentou seu primeiro lance às 9h30, no valor de R$ 6,40, logo após uma empresa de fora do esquema ter apresentado um lance de R$ 6,45. Nesse momento, a outra participante do esquema ocupava a segunda posição no pregão, com um lance de R$ 6,50.

A partir daí, a primeira empresa passou a atuar como “coelho”, disputando lance a lance com a empresa não envolvida no esquema, baixando os preços até um valor de R$ 4,98. A empresa de fora do esquema ofereceu um lance de R$ 4,97, porém foi desclassificada por sua proposta ter sido considerada “manifestamente inexequível”, uma vez que era menos da metade do preço inicialmente estimado, de R$ 10,08.

Crime

Com a desclassificação, foi solicitada a planilha da empresa coelho, que não a apresentou, restando como vencedora a parceira no esquema, que tinha dado o último lance de R$ 6,50 (mais de 30% superior ao das duas primeiras).

O pregoeiro, contudo, logo observou que a segunda e a terceira colocadas possuíam o mesmo sócio majoritário.

Diante disso, as duas empresas foram desclassificadas, sob a justificativa de quebra de isonomia e de competitividade. As empresas também ficaram impedidas de licitar com a União pelo prazo de seis meses.

As investigações, porém, logo apontaram a relação dessas duas com outra empresa, que também havia participado da licitação do IFRN de Santa Cruz.

Mais artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimos artigos