16.3 C
Ouro Branco

Moradores de Barra do Sahy deixam casas em áreas de risco

Anúncios

Moradores da Barra do Sahy, um dos bairros de São Sebastião mais afetado pelos temporais no litoral norte paulista, começaram a deixar as suas casas. Uma decisão da Justiça, atendendo a pedido do governo do estado e da prefeitura, autorizou a remoção de todas as pessoas que vivem em áreas de risco no município.

A Barra do Sahy é uma das áreas que ficou isolada devido aos danos causados pelos deslizamentos e enxurradas na Rodovia Rio-Santos, que foi parcialmente desbloqueada ontem. No entanto, no trecho próximo a Juquehy ainda não é possível transitar e em diversos pontos a pista foi erodida e só tem passagem em um dos sentidos, provocando engarrafamentos.

“A gente não esperava”

Na manhã de hoje (22), a empregada doméstica Maria Eliana Araújo era uma das que estava deixando a Barra do Sahy. Ela conta que sua casa não foi diretamente afetada pelos deslizamentos. No entanto, o local foi classificado como área de risco. “Nós não temos previsão se vamos poder voltar. A gente está sem casa. Não caiu, mas estamos sem moradia”, disse.

Atualmente, ela está na casa de parentes em uma comunidade próxima. Os deslizamentos e a enxurrada mataram 48 pessoas na região. “A gente não esperava. E sem saber o que vai acontecer, para onde a gente vai. A gente está perdido”, afirmou, ao caminhar pelas ruas cobertas de lama.

Escavadeiras e caminhões retiravam a grossa camada de lama e entulho acumulado pelas ruas do bairro. As famílias e comerciantes tentavam tirar a sujeira de dentro das casas e estabelecimentos. Ainda era possível encontrar carros e motos parcialmente enterrados no barro. Nas partes mais altas do morro, escavadeiras, voluntários e bombeiros escavavam o terreno em busca das vítimas do deslizamento.

Resgate

O capitão Mistuo, do Corpo de Bombeiros, tentava organizar os voluntários que ajudam nos trabalhos de busca de aproximadamente 40 desaparecidos.

Segundo ele, o uso das máquinas deve se intensificar a partir de agora. “A gente está fazendo o esquadrinhamento. Vamos fazer o manejo de terra e começar com as máquinas para ganhar velocidade”, explica.

Desde a madrugada de domingo (19), os bombeiros buscam por vítimas soterradas. “A gente do Corpo de Bombeiros sempre busca vida. Por mais improvável que seja, a gente não perde a esperança”.

Ao conversar com os voluntários, Mitsuo reconheceu que os primeiros esforços de resgate são mérito dos moradores da região. Pessoas como Wagner de Oliveira, que hoje não estava participando dos trabalhos, mas que, logo após o deslizamento, conseguiu resgatar vizinhos e amigos.

“Quando a gente começou a socorrer não tinha bombeiros, não tinha ninguém. O verdadeiro socorro foi feito pela comunidade. O próprio pessoal da comunidade estava transferindo os corpos para [sede da ONG] Verde Escola”, conta o rapaz, que hoje está trabalhando no mercadinho da família próximo à área onde era feito o resgate.

“Resgatei três pessoas feridas e quatro óbitos. Quando chegou no quarto óbito, eu não tive mais coragem de seguir em frente. Tomei uma ducha e fiquei guardado [resguardado]”, relata, emocionado, relembrando o choque de ver o caos causado pela enxurrada de lama que desceu dos morros que ficam ao fundo da comunidade.

Mais artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimos artigos