16.3 C
Ouro Branco

Dólar cai abaixo de R$ 5. É hora de comprar? Vai recuar mais? Veja dicas

Anúncios

Moeda americana está no menor patamar desde junho. Para quem vai viajar, analistas sugerem adquirir aos poucos. Vale consultar cartão de crédito para antecipar fatura

O dólar comercial caiu abaixo de R$ 5 nesta quinta-feira pela primeira vez desde junho. A moeda americana, que já vinha recuando nas últimas semanas, acentuou esta tendência após o banco central americano (Fed) desacelerar a alta de juros ao mesmo tempo em que o BC brasileiro sinalizou que poderá voltar a subir os juros por aqui.

Para quem acaba de voltar de férias no exterior ou tem planos de viajar para fora nos próximos meses, a queda na cotação é um alívio. Afinal, no câmbio para turismo, as cotações acompanham a queda do dólar comercial.

A recomendação dos especialistas, para quem terá despesas em moeda estrangeira nos próximos meses, é comprar dólar aos poucos para construir o chamado “preço médio”, especialmente, para aqueles que não precisam do dinheiro de forma imediata.

Ao comprar dólar em diferentes janelas no tempo, o comprador se aproveita de cotações distintas e consegue se proteger das variações do câmbio, um dos indicadores econômicos mais imprevisíveis.

O economista da Associação Brasileira de Planejadores Financeiros (Planejar), José Faria Júnior, avalia a cotação entre R$ 5,05 e R$ 5,10 como uma oportunidade de compra. Valores próximos a R$ 5,30, por sua vez, são considerados caros.

— No nível atual, acho interessante comprar. Se você vai viajar daqui a seis meses, pode fazer uma compra de 30% do total que vai precisar. Caso o dólar caía mais, você pode comprar mais um pouco. A melhor hipótese que tem para a pessoa física é fazer uma programação de compra mensal. Não adianta tentar acertar a tendência da moeda.

O economista da Planejar ressalta que a pessoa não deve se endividar para comprar dólar só pelo fato da cotação estar em queda.

Para quem está voltando do exterior e tem compras em dólar a vencer no cartão de crédito, uma opção é antecipar o pagamento da fatura. É preciso consultar o banco e a bandeira do cartão de crédito para checar se esta possibilidade está disponível.

Viagem nas férias

Para aqueles que pretendem viajar para o exterior em julho, por exemplo, esta pode ser uma boa hora para comprar moeda estrangeira.

Caso a compra seja feita de uma só vez e muito próxima da viagem, o comprador pode ficar refém da cotação disponível naquele momento.

— A orientação que sempre passo para os nossos clientes é que sempre quando há essas quedas mais relevantes, é uma janela de oportunidade, principalmente para quem vai viajar ao exterior — disse o gestor de varejo da Europa Câmbio, Paulo Victor Pereira.

Na Europa Câmbio, uma primeira estimativa mostra aumento nas vendas de 30% em janeiro deste ano em relação ao mesmo mês do ano anterior.

Desde 2006, o casal de aposentados Josias Azevedo, 62, e Gladys Hoffmann, 60, viaja anualmente. Os dois, que já foram a 30 países juntos, agora planejam visitar a família na Austrália. Com a viagem marcada para o dia 18 de fevereiro e quatro paradas previstas para ocorrer nos Estados Unidos, eles ainda precisam comprar os dólares americano e australiano.

— Costumamos comprar em uma loja de câmbio em Copacabana, mas, desta vez, a tendência é que a gente compre a maior parte online e viaje com o cartão de débito, porque a cotação é menor — disse Azevedo. — Todos os dias nós olhamos o valor do dólar. Recentemente, inclusive, o americano baixou, mas o australiano, em compensação, aumentou.

Há várias formas de se comprar a moeda estrangeira, com diferentes alíquotas. Segundo Pereira, a escolha deve ser feita de acordo com os objetivos da compra e o montante a ser adquirido.

Para a compra do dólar, o imposto sobre operações financeiras (IOF) é de 1,10% no papel moeda. Já sobre compras no cartão pré-pago ou no cartão de crédito, o imposto é de 5,38%.

Desde o dia 30 de dezembro, brasileiros podem levar até US$ 10 mil em espécie ou o equivalente em outra moeda estrangeira sem necessidade de declaração à Receita Federal ao viajarem para fora do Brasil. Antes, o limite máximo era de R$ 10 mil.

— Vai depender muito do objetivo, mas oriento a diversificar a carteira e não ficar 100% concentrado em um único produto. Quem for passar um período maior de tempo, abrir uma conta no exterior e fazer a transação entre contas de volumes maiores pode ser uma opção melhor — ressalta o gestor da Europa Câmbio.

Fintechs e bancos digitais também oferecem conta bancária em dólar ou euro aos brasileiros e são mais uma opção para quem pretende viajar.

Mais artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimos artigos