23 C
Ouro Branco

Culto às armas e ideias extremistas acendem alerta para ataques em escolas

Anúncios

Segundo professora, a disseminação de discursos de ódio contra minorias tem encorajado atos agressivos.

A morte da professora de biologia Elizabeth Tenreiro, de 71 anos, em um ataque brutal na Escola Estadual Thomazia Montoro, Zona Oeste da capital paulista, levantou um alerta: atentados nas escolas. Nesta duas semanas, outras duas instituições sofreram ameaças e os casos são semelhantes.

Telma Vinha, professora da Faculdade de Educação da Unicamp, atribui a repetição dos ataques à disseminação de ideias extremistas, discurso de ódio e culto às armas entre jovens.

“Isso está cada vez mais na superfície da internet”, avalia Telma em entrevista a Natuza Nery.

Coordenadora do grupo de ética, diversidade e democracia na escola pública, ela ressalta que as redes sociais têm possibilitado o acesso a ambientes fortalecidos por discursos de ódio.

“A gente vê um aumento da cultura da violência, um discurso social autorizando o tratamento dos conflitos pela violência, não pela palavra”, diz.

Antes do ataque, Elizabeth Tenreiro havia tentado apartar uma briga na qual o autor do atentado cometeu racismo contra outro aluno da escola.

Segundo Telma, a disseminação de discursos de ódio contra minorias tem encorajado atos agressivos. “É como se dando permissão para agir.”

Mais artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimos artigos