17.6 C
Ouro Branco

Copom se reúne nesta quarta, e mercado prevê que será a última manutenção da Selic a 13,75%

Anúncios

Indicadores econômicos divulgados recentemente consolidaram a percepção de que em agosto a taxa básica de juros começará a cair. Governo vem defendendo que o BC comece a baixar os juros.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central se reúne nesta quarta-feira (21) e deve manter a taxa básica de juros estável em 13,75% ao ano, de acordo com estimativa dos economistas das instituições financeiras. A decisão será anunciada por volta das 18h30.

A expectativa do mercado financeiro, divulgada nesta semana, é de que essa seja a última reunião que vai manter da taxa básica da economia no atual patamar. A previsão é de que o BC inicie um ciclo de corte dos juros a partir de agosto, quando a Selic recuaria para 13,50% ao ano.

A previsão anterior dos analistas era de que o início do processo de redução dos juros, pelo BC, aconteceria somente em meados de setembro. Para o fim de 2023, o mercado financeiro já projeta um juro básico de 12,25% ao ano.

As atenções do mercado estarão centradas no comunicado que será divulgado após o encontro desta quarta e, também, na ata da reunião, que sairá na terça-feira da próxima semana. Os documentos detalharão o que foi discutido pelos diretores e presidente do BC na definição do juro.

Ao escrutinar os documentos do Copom, os analistas estarão atrás de pistas que confirmem sua percepção de que os juros começarão a recuar, de fato, em agosto – conforme as previsões.

Na última ata do Copom, da reunião realizada em maio, o BC ainda avaliava que a pressão inflacionária ao consumidor continuava “elevada” e que as expectativas de inflação para os próximos anos seguiam “desancoradas” (acima das metas definidas pelo Conselho Monetário Nacional). E dizia que era necessário “serenidade e paciência” na definição do juro para tentar cumprir as metas.

  • Neste momento, a instituição já está mirando na meta do ano que vem. Isso ocorre porque as mudanças na taxa Selic demoram de seis a 18 meses para ter impacto pleno na economia.
  • Na semana passada, os economistas do mercado financeiro reduziram a estimativa de inflação deste ano, de 5,42% para 5,12%, e passaram a projetar uma inflação de 4% para 2024.
  • A meta de inflação do próximo ano, definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), é de 3% e será considerada cumprida se oscilar entre 1,5% e 4,5%.

“Acreditamos que a comunicação será ajustada para incorporar a melhoria recente nas perspectivas de inflação. Ao mesmo tempo, como as projeções de inflação continuarão acima da meta, o comitê tende a manter a “guarda alta”, sem se comprometer com a próxima decisão”, avaliaram economistas da XP, em análise divulgada.

Cenário melhor

Dois indicadores divulgados recentemente levaram o mercado financeiro a projetar, para agosto, o início do ciclo de cortes da taxa básica de juros: o resultado do PIB do primeiro trimestre deste ano e a inflação de maio.

No caso do PIB, foi registrada uma expansão de 1,9% nos três primeiros meses desse ano, na comparação com o trimestre imediatamente anterior. O resultado foi impulsionado, principalmente, pela agropecuária, que teve uma alta de 21,6% no período.

Com o crescimento do PIB focado na oferta de produtos, principalmente agropecuários, e não na demanda (aumento de aquisição por produtos e serviços), a avaliação é de que há um cenário mais favorável para a queda dos juros.

“Por falar no PIB do 1º trimestre, a sua composição não poderia ser melhor para a política monetária [definição do juro para conter a inflação], pouca demanda e um choque positivo vindo de uma safra recorde, que já impacta a inflação corrente via preço dos alimentos”, avaliou Luis Otávio Leal, economista-chefe da G5 Partners.

Ao mesmo tempo, o resultado do IPCA de maio, que somou 0,23%, consolidou a interpretação de que o corte de juros estaria mais próximo. Em doze meses até maio, a inflação oficial chegou a 3,94%. Os números vieram bem abaixo das estimativas do mercado financeiro. E o índice de difusão da inflação caiu de 66% para 56%, o menor nível desde agosto de 2020.

Pressão de Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem pressionado o Banco Central a iniciar o processo de redução da taxa básica de juros da economia, e critica o efeito de juros altos sobre o crescimento da economia e a geração de empregos.

Em 1º de maio, no Dia do Trabalho, por exemplo, Lula associou o patamar atual da Selic ao desemprego e disse que a taxa de juros é parcialmente “responsável” pela situação do país.

“A gente não poder viver mais em um país aonde a taxa de juros não controla a inflação, ela controla, na verdade, o desemprego nesse país porque ela é responsável por uma parte da situação que nós vivemos hoje”, disse Lula, na ocasião.

Nesta segunda-feira (19), em transmissão pela internet, Lula voltou a pressionar pela queda de juros.

“Apenas o juro precisa baixar, porque também não tem explicação. O presidente do Banco Central precisa explicar, não a mim, porque eu já sei o porque ele não baixa, mas ao povo brasileiro e ao Senado, por que ele não baixa [a taxa]”, disse.

Mais artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimos artigos