Consumo de álcool aumenta risco de 61 doenças, segundo estudo

Uma nova pesquisa realizada por pesquisadores da Universidade de Oxford e de instituições da China observou que o consumo de álcool aumentou os riscos para o aparecimento de 61 doenças em homens chineses. Desse total, 28 já eram consideradas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como associadas ao consumo de bebida alcoólica, mas o estudo chama a atenção para outras 33 ainda não consideradas dessa forma.

Para chegar a essa conclusão, os autores acessaram o China Kadoorie Biobank, um banco que compila informações biológicas e de saúde de chineses. Na pesquisa publicada na revista Nature Medicine, dados de cerca de 512 mil pessoas foram consideradas: 210 mil eram homens e 302 mil, mulheres.

Os homens eram os que mais bebiam desde o início da pesquisa: 33% afirmaram que consumiam bebida alcoólica pelo menos uma vez por semana. Entre as mulheres, a prática só foi relatada por 2% delas.

Os participantes foram acompanhados por cerca de 12 anos para observar o que acontecia com eles. Esse tipo de estudo é chamado observacional: os pesquisadores segmentam os integrantes do estudo por um hábito -no caso, se consumia ou não álcool- e depois tecem relações com o que ocorreu.

Normalmente, esses desfechos só são acessados anos depois e variam com o objetivo da pesquisa: neste estudo, foi o desenvolvimento de doenças e casos de hospitalizações.

Sobre as complicações, o estudo observou que o álcool aumentou o risco de 61 doenças de um universo de 207 enfermidades. Nesse número, já estão inclusas 28 doenças consideradas pela OMS como relacionadas ao álcool. Diabetes e tuberculose são dois exemplos. As outras 33 complicações não relatadas pela organização envolvem câncer de pulmão e de estômago, além de problemas gastrointestinais, para citar alguns exemplos.

Algumas tiveram implicações mais sérias, mas, para outras, o risco foi baixo. Um exemplo é a catarata: a chance para aparecimento do problema ocular foi 8% maior entre os que bebiam regulamente em comparação a quem consumia de forma ocasional. Para câncer de laringe, o risco mais que dobrava.

O álcool também teve relação com maior risco de precisar de ajuda hospitalar, principalmente entre aqueles que bebiam de forma regular. Esse grupo em comparação aos participantes que consumiam de modo mais esporádico apresentou um número maior de hospitalizações, com especial enfoque em casos de cânceres.

No entanto, as duas conclusões só consideram as informações de homens chineses, já que os dados são somente desse país e o baixo consumo de bebida alcoólica entre mulheres impossibilitou observar os efeitos da substância entre elas.

GENÉTICA
A metodologia do tipo observacional, adotada por essa pesquisa, não é considerada o melhor tipo para concluir uma relação do efeito de uma substância sobre a saúde dos participantes. Mas, para complementar o levantamento, os autores também se atentaram à genética.

Segundo eles, existem dois instrumentos genéticos associados à quantidade de álcool no organismo. Nos homens, foi visto que a ingestão da substância quando relacionada as questões genéticas teve impacto de aumentar os riscos das doenças listadas pela pesquisa.

Para os cientistas, é importante que estudos futuros também utilizem dados sobre a genética dos participantes a fim de construir a relação entre álcool e surgimento de doenças. Outro ponto defendido por eles é a necessidade de mais estudos globais para observar se as conclusões da pesquisa também são vistas por outras investigações.

Por outro lado, pesquisas com enfoques regionais também são necessárias. O levantamento recém-publicado foi um dos únicos a considerar dados de pessoas chinesas, já que estudos anteriores contavam com uma amostra populacional principalmente ocidental.

VEJA QUAIS SÃO AS 61 COMPLICAÇÕES ASSOCIADAS AO ÁLCOOL
Tuberculose
Câncer de laringe
Câncer de esôfago
Câncer de fígado
Tumores incertos (orelha média/respiratória/intratorácica)
Câncer de colo
Câncer de pulmão
Câncer retal
Outros cânceres
Câncer de lábio, cavidade oral e faringe
Câncer de estômago
Outras anemias
Púrpura e outras condições hemorrágicas
Outros distúrbios metabólicos
Diabetes mellitus
Condições psiquiátricas e comportamentais menos comuns
Epilepsia
Ataques isquêmicos cerebrais transitórios
Catarata
Flebite e tromboflebite
Cardiomiopatia
Hemorragia intracerebral
Sequelas de doença cerebrovascular
Doença cardíaca hipertensiva
Hipertensão essencial (primária)
Infarto cerebral
Complicações da doença cardíaca
Derrame não especificado
Oclusão e estenose das artérias cerebrais
Oclusão e estenose das artérias pré-cerebrais
Outras doenças cerebrovasculares
Doença cardíaca isquêmica crônica
Doenças circulatórias menos comuns
Bronquite crônica não especificada
Outra doença pulmonar obstrutiva crônica
Pneumonia
Doença hepática alcoólica
Fibrose e cirrose do fígado
Outras doenças inflamatórias do fígado
Abscesso das regiões anal e retal
Refluxo gastroesofágico
Úlcera gástrica
Outras doenças do aparelho digestivo
Outras doenças do fígado
Pancreatite
Outras infecções locais (pele/tecido subcutâneo)
Osteonecrose
Gota
Outra artrose
Resultados anormais de estudos de função
Mal-estar e fadiga
Outras causas de mortalidade mal definidas/não especificadas
Causas de morbidade desconhecidas/não especificadas
Fratura de ombro e braço
Fratura do fêmur
Fratura de costela(s)/esterno/coluna torácica
Lesões menos comuns, envenenamento e outras causas externas
Autoagressão intencional
Quedas
Acidentes de transporte
Outras causas externas

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Descubra mais sobre Portal Ouro Branco Notícias

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading