19.7 C
Ouro Branco

Como será o futuro do Grupo Wagner na África após a morte de Prigozhin

Anúncios

Em sua última viagem à República Centro-Africana (RCA) no mês passado, o ex-chefe do Grupo Wagner, Yevgeny Prigozhin, visitou “la Maison Russe”, ou Casa Russa, um centro cultural perto da embaixada russa na capital, onde posou para selfies com seus tenentes e moradores locais.O instituto, e as suas diversas atividades, são exemplos claros de como o grupo mercenário se tornou um substituto do Estado russo no país e um símbolo dos desafios que o presidente Vladimir Putin tem pela frente enquanto tenta retomar o controle.

Desde a tentativa de golpe de Prigozhin em junho e sua subsequente morte num acidente de avião perto de Moscou apenas dois meses depois, a Rússia tem estado envolvida numa luta de alto risco para centralizar o seu império no continente africano, que inclui milhares de combatentes, uma vasta gama de empresas holdings e múltiplas iniciativas de poder brando como esta.

Enquanto o Kremlin tenta envolver a extensa rede comercial de Wagner, o que vem a seguir para o grupo permanece incerto. Mas sinais do que o futuro pode reservar na RCA, um dos primeiros estados clientes da organização e do seu laboratório no continente, começam a surgir em Bangui.

A Rússia parece estar consolidando as operações do Grupo Wagner na região, ao mesmo tempo que continua a exercer a sua influência. A mensagem que Moscou quer transmitir parece ser: os negócios continuam como sempre.

O domínio da Rússia é visível em todo o lado. Nos bares de beira de estrada, os moradores bebem a cerveja Africa Ti L’Or e a vodca Wa-Na-Wa fabricadas por uma empresa ligada à Wagner. Enquanto isso, caças doados pela Rússia assobiam em missões no alto.

No centro cultural, uma bandeira tricolor russa tremula. Do lado de fora, um carrossel coberto por uma cúpula em forma de cebola gira no pátio.

“A Maison Russe é o centro de todas as atividades de Wagner na República Centro-Africana”, disse Nathalia Dukhan, investigadora sênior da The Sentry, uma organização sem fins lucrativos dos EUA que monitorou Wagner em todo o país, à CNN.

De acordo com o The Sentry, o centro abriga uma ampla gama de operações ligadas aos empreendimentos comerciais de Wagner – o grupo o utiliza para vender seu ouro e diamantes e entreter VIPs.

Ela organiza eventos destinados a “difundir a cultura russa e ao mesmo tempo promover uma percepção pró-Moscou das relações internacionais”, disse Dukhan.

Mercenários do Grupo Wagner operam na RCA desde pelo menos 2018, protegendo o Presidente Faustin-Archange Touadera e treinando recrutas do exército. As tropas Wagner lutaram contra os rebeldes no conflito civil do país, que já dura mais de uma década, ao mesmo tempo que alargaram o alcance da Rússia na nação rica em minerais.

Wagner garantiu uma série de generosas concessões mineiras no país para prospecção de diamantes e ouro, e está fortemente envolvido na indústria madeireira.

All Eyes on Wagner, uma iniciativa que rastreia o grupo, disse que a Casa Russa está constituída como uma empresa em Bangui, mas não tem ligações com a agência Rossotrudnichestvo, que é a agência estatal russa que coordena institutos culturais em todo o mundo.

“A Maison Russe é um excelente exemplo de como o Grupo Wagner tem sido um substituto do Estado russo”, disse All Eyes on Wagner à CNN. Acrescentou que serve tanto os interesses de Wagner como os da Rússia: “Promover as cervejas de Wagner através de eventos exclusivos, projetar filmes de Wagner, receber Prigozhin e convidar delegações russas do Ministério da Defesa para dar palestras sobre a cooperação militar Rússia-CAR”.

O centro é liderado há muito tempo por Dmitry Syty, um antigo deputado de Prigozhin que desempenhou “um papel de liderança” na RCA para Wagner, de acordo com o Conselho Europeu.

Mas Syty, que foi sancionado pela União Europeia e pelos Estados Unidos “por graves violações dos direitos humanos” e sobreviveu a uma tentativa de assassinato em dezembro de 2022, pode ter sido substituído.

A mídia local informou recentemente que uma nova diretora assumiu a Casa Russa, referindo-se a ela como Nafisa. Ela foi retratada nas fotografias de Prigozhin em sua última visita à RCA, mas não há evidências de que ela tivesse qualquer ligação com Wagner antes de abril.

O acesso à Casa Russa é extremamente restrito. Nenhum jornalista ocidental teve acesso e os pedidos da CNN para filmar no centro foram repetidamente rejeitados pelo suposto novo diretor.

Quando uma equipe da CNN visitou o local usando uma câmera escondida, ela se apresentou como Nafisa Kiryanova.

Com base em contas de redes sociais e outros perfis vinculados, a CNN descobriu que ela também tem outro nome: Anfisa Alexandrovna Kiryanova.

Um canal do YouTube vinculado a Kiryanova revela que há nove meses ela estava compartilhando vídeos de análises sobre cosméticos. Em um currículo compartilhado online, ela afirma ter trabalhado como tradutora e frequentado a Universidade Sorbonne em Paris e a Universidade Estatal Linguística de Moscou.

Vestida com roupas locais e salto alto prateado, ela deu à CNN um breve tour pelo instituto. Em três tendas fora do centro, aconteciam aulas de russo, enquanto filmes russos eram exibidos em uma sala de cinema.

Um homem mascarado, que parecia ser um mercenário do Grupo Wagner, passou pelas tendas até um estacionamento atrás. Kiryanova não confirmou quem ele era nem mostrou à CNN a área restrita para onde se dirigia.

Quando a CNN pressionou Kiryanova sobre sua aparição no fundo das fotos tiradas de Prigozhin no centro, ela foi evasiva, perguntando: “Oh meu Deus, você pode me mostrar isso?” Depois de ver as fotos, ela admitiu a contragosto: “Ok, sim, é isso mesmo”.

Falando sobre a visita de Prigozhin e o futuro de Wagner na RCA, Kiryanova disse que a sua morte não significou nada para a missão da Rússia no país.

“Muda alguma coisa se, não sei, o presidente do seu país morrer? Isso significa que o seu país deixa de existir? A missão continua a existir, a missão cultural russa continua a existir”, disse ela.

Questionado sobre quem supervisionava o centro agora, Kiryanova disse que Syty era “responsável pelo chefe de toda a missão e dirige algumas outras direções”.

Syty e o conselheiro de segurança de Wagner do Presidente Touadera, Vitali Perfilev, que também é sancionado pelos EUA e pela União Europeia, estão entre a velha guarda de Wagner ainda no terreno na RCA desde o final da semana passada.

Um diplomata que falou à CNN sob condição de anonimato disse que os dois homens regressaram a Moscou e depois retornaram, sugerindo que tinham assinado novos contratos com o Ministério da Defesa da Rússia.

Ambos recuaram para as sombras nos últimos meses e recusaram os repetidos pedidos de entrevistas da CNN.

O diplomata disse que Wagner deixou uma marca duradoura na RCA com apenas cerca de 1.000 mercenários no terreno. Agora, a Rússia embarca numa reorganização, com uma tentativa de reduzir os custos operacionais da Wagner na RCA, disse o responsável.

Esse esforço tem duas vertentes: forçar os combatentes a assinar novos contratos e retirá-los para concentrar o controlo nos principais centros populacionais.

Em julho e agosto, os aviões de transporte Ilyushin IL-76 rodavam semanalmente para levar caças de volta a Moscou para assinar contratos, disse o responsável, acrescentando que cerca de 150 não regressaram.

Existem sinais óbvios de uma reconcentração de tropas em toda a capital.

Mercenários do Grupo Wagner circulam por Bangui em picapes sem identificação, pintadas de verde ou areia.

Eles estão nas ruas e fazem compras em supermercados, vestidos com capuzes para comprar biscoitos, bananas e garrafas de Coca-Cola. O protocolo Wagner determina que eles devem sempre cobrir o rosto – mesmo em situações como procurar sapatos em alguma lojinha.

Apesar do fracassado motim do Grupo Wagner e da subsequente morte de Prigozhin, milhares de quilômetros a norte, pouco mudou na relação da RCA com a Rússia, segundo Fidèle Gouandjika, conselheiro sénior do Presidente Touadera.

A CNN reuniu-se com Gouandjika em sua mansão na capital. Alto e grisalho, ele usava uma camiseta estampada com a mensagem “Je suis Wagner” – “Eu sou Wagner”, em francês – alegando que foi dada a ele pelo próprio Prigozhin.

“Ele era meu amigo, era meu melhor amigo diante de todos os povos da África Central”, disse ele sobre o falecido chefe mercenário.

“Os russos nos deram paz”, disse ele, acrescentando: “estamos muito felizes que o Sr. Yevgeny Prigozhin, em pouco tempo, um ano, tenha expulsado os rebeldes, e nosso país esteja 100% ocupado pelo nosso exército.”

Gouandjika afirmou que Putin falou recentemente com Touadera e garantiu-lhe que: “’Tudo será como ontem. Será melhor amanhã e depois de amanhã. Portanto, não nos arrependemos.’”

Fonte: CNN

Mais artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimos artigos